5 de jan de 2010

Iron Maiden- The number of the beast


O ano era 1982, Iron tinha acabado de trocar de vocalista expulsando paul Dianno da banda por uso de cocaina =s,que ia contra as regras da banda já que eles sempre foram perfeccionistas, e usar drogas estava fora de questão, e contrataram Bruce dicknson não poderiam ter feito escolha melhor logo o album de estreia de bruce, The number of the beast foi um dos maiores se não o maior sucesso da banda, com musicas que mais tarde se tornariam verdadeiros classicos da banda como a faixa titulo,Run to the hills com seu ritmo tribal,a colante children of damned e a epica hallowed by the name,com seus mais de 7 minutos muito bem aproveitados;

mas mais do que isso esse album foi um divisor de águas no cenario do rock e metal mundial, tendo inflûencia percepitivel no hardcore,heavy metal entre outros estilos mais atuais tanto que varias vezes durante o album, vc tem deja vus, do tipo já ouvi isso em algum lugar bom certamente vc vai percerber quando tiver o prazer de escutalo, baixo marcante e rapido as vezes soando como metralhadora,guitarras gêmeas ambas solando, um solo completando o outro com perfeição,bateria incansavel,variante pratos não para
m, velocidade e noção de ritmo a mil,letras realistas e de inconformação com a sociedade e seus lideres, não espere escutar "historinhas de dragões", apesar do nome o album NÃO é satânico e esta longe disso,a polemica faixa titulo apenas é uma Referência, a o filme a profecia.

segue a analise abaixo faixa a faixa:

1- Invaders

o cd já começa empolgante com a bateria marcante com pedal duplo, e pequenas quebradas de tempo nos riffs,mesmo que vc não conheça o iron se você curte,metal ou hardcore, a inflûencia fica clara nas bandas atuais pareçe que você já ouviu o solo dessa musica em algum lugar =s, e o riff impede de vc pular a faixa tananãnãnã tudo isso aliado ah um refrão colante.

2- Children of the damned

1 baladinha do album novamente riff causador de deja vus alheios,dessa vez não é só o refrão que é grudento é a musica toda !,antes da musica chegar na metade vc vai estar cantarolando "children of the damneeeed" por ai, intro de baixo para o solo devastador com as famosas guitarras gêmeas,dessa vez mais rapido que em invaders.

3- The prisioner

a musica começa com uma intro de um prisioneiro gritando EU NÃO SOU UM NUMERO,EU SOU UM HOMEM LIVRE! , sim acredite a melodia demonstra a mesma atitude da letra baixo marcante,bateria com pratos sem parar, guitarras que se completam fazendo solos simuntâneamente(não ,não existe guitarra base.),bruce canta agressivamente versos como:

Eu não sou um prisioneiro, eu sou um homem livre
E meu sangue me pertence agora
Não importa onde estava o passado
Eu sei para onde estou indo... para fora

musica mais agressiva do album até então.

4-22 Acacia avenue

intro de baixo e bateria epica, logo depois vira um riff metralhado tu tu tu tu tu tu tu tu tu, tam tam tã tã, admito que no album tem riffs bem melhores,mas as pontes entre os versos compensam e a bateria bumbo duplo cobre os defeitos, a letra conta a historia de charlotte uma prostituta =x, que um dia ficara velha e ninguem mais vai querer come-la,mas enquanto ela ainda é jovem tem um mano que oferece pra leva-la com ele é uma musica romântica e realista, solo com lento segurando notas quebrando o ritmo rapido de metranca da musica que depois do 1 °solo ainda conta com batidas que soam industriais por parte da bateria, e um solo de baixo no final da musica.

5- The number of the beast

o que dizer? como descrever? EPICA! ah musica começa com alguem falando seriamente:

"Lamento por vocês todos,sobre a terra e o mar,
pois o demônio enviou a besta com raiva,
Porque ele sabe que o tempo é curto
Que ele fez compreender que calculam
O número da besta porque é um número humano
É o número seiscentos e sessenta e seis."

segue uma introdução baixo metralhadora+bateria e voz com versos semi-acusticos encerrando a intro com um dos agudos mais fodas de bruce dickson, a musica é comletamente colante sabe o tipo de musica perfeita não tem pontos negativos,a voz de bruce se encaixa perfeitamente no instrumental metralhado como mas ao contrario de acacia avenue,desta vez com muito mais feeling e tecnica, solo rapido e cheio de descer e subir escalas guitarras completamente em harmônizadas, e o refrão que é repetido com fervor:

Six, six, six the number of the beast.
Six, six, six the one for you and me.

apesar do nome nem de longe é uma musica pagã ou satânica, vide a tradução, a musica termina como começou com o agudo fodão *_*

6-Run to the hills

outro dos maiores classicos do iron, a musica tem uma pegada BRASILEIRA, com percusão fora do normal coisa que não seê vê todo dia no metal, o IM mostra mais uma vez o porque é considerada a banda mais importânte do heavy metal, riffs lembrando galopes de cavalos, bateria com pedal duplo e pratos inscessantes, refrão com agudos incriveis,letra absurda, um dos solos mais criativos de sua época mais que uma musica run to the hills pode ser considerada um HINO; ou seja não importa a situação a solução é simples "Run to the hills" qq.

7-Gangland

intro pesada grudenta,fenomenal com pratos e caixas de baterias sendo suavemente tocados, riffs absurdos segurando notas, e um dos refrões mais objetivos e realistas da carreira do Iron:

Homens mortos, não contam historias.

solos que se completam denovo,seguidos por agudos precisos,ah e,é claro as classicas e velhas conhecidas guitarras metralhadoras dando uma velocidade surreal a musica, enfim nada demais,apenas outra musica perfeita, ._. na minha opnião.

8-Total eclipse

intro pesada de bateria com riffs quebrados, vocais falados,não interpretados seria melhor descrissão, a musica descreve o grande desespero da humanidade a respeito do mundo e seu inevitavel fim, com frases marcantes como: You know it isn't only madmen who listen to fools.
Is this the end, the millions cried, solo bem rapido =x, termina antes de vc perceber que começou praticamente, mas é legal ouvir uma musica assim fora da velha formula do album.

9-Hallowed by the name

musica começa calmissima, apenas a bateria dando verdadeiras porradas, versos acusticos de uma historia contada por bruce de alguem que esta prestes a morrer,pela pena de morte e faz reflexões da propria vida,alma e fê,a musica dá lugar ah um rimo mais dançante sem perder o peso a partir de 1:10 segundos
com pausas para bruce cantar solo,bruce cumpre seu papel segurando notas altas, sem desafinar,o primeiro solo nada de novo apenas mais lento,no segundo solo temos um acompanhamento de baixo marcante, musica epica de 7 minutos e 10 segundos que desabrocha num solo empolgante a partir dos 4:52 com velocidade,subir e descer de escalas na velocidade certa, cumpre o requisito MUSICALIDADE que falta em muitas bandas inteiras hoje em dia. a canção encerra-se com o seguinte verso:

Quando você souber que seu tempo está contado
Talvez então você comece a entender
Que a vida aqui embaixo é apenas uma estranha ilusão
Santificado Seja seu Nome.












No response to “Iron Maiden- The number of the beast”

Leave a Reply